Blog

Aprendendo a Educar os Filhos

Aprendendo a Educar os Filhos

É comum pais apresentarem dúvidas sobre como educar seus filhos da melhor maneira. Questões como “posso colocá-lo de castigo? Como valorizar meu filho? Não consigo fazer meu filho me obedecer!” aparecem frequentemente na clínica de psicologia e mesmo em conversas de amigos. Apesar de existirem tantas dúvidas, não há um manual ou receita para a “educação perfeita”. Apesar disso, existem sim dicas e estilos parentais que podem ajudar nas difíceis decisões que envolvem a criação e o desenvolvimento das crianças e adolescentes.

É importante saber que as relações familiares e as práticas parentais são grandes responsáveis não só pela qualidade da interação familiar, mas também pelo desenvolvimento – ou não – de repertórios adequados dos filhos.

“As práticas parentais correspondem a comportamentos definidos por conteúdos específicos e por objetivos de socialização, incluindo estratégias usadas para suprimir comportamentos considerados inadequados ou para incentivar a ocorrência de comportamentos adequados (Alvarenga, 2001; Darling & Steinberg, 1993). Diversas são as práticas educativas parentais, as pesquisas na área ajudam a mostrar quais dessas práticas são mais positivas para o desenvolvimento de crianças e adolescentes.” (Weber, L.N.D, 2006).

É essencial, para o bom desenvolvimento de um filho, que haja além de relacionamento afetivo, ou seja, demonstrações de amor e carinho, também a presença de regras e limites impostos pelos pais. E que, acima de tudo, todos consigam cumprir os combinados pré-estabelecidos.

Parece complicado, não é mesmo? Como conciliar a supervisão de regras e ao mesmo tempo ser carinhoso e afetuoso?

Um grande facilitador para essa árdua tarefa dos pais é a boa comunicação entre eles e os filhos! Vale lembrar que boa comunicação aqui não é o pai falar e o filho ouvir e obedecer, mas sim um diálogo entre as duas partes, no qual há expressão de opiniões, disponibilidade de ouvir e incentivo a falar sobre as dificuldades enfrentadas.

Podemos resumir algumas características importantes em três principais Estilos Parentais: Autoritário, Permissivo e Autoritativo.

“Darling e Steinberg (1993) propuseram o entendimento de estilo parental como o contexto em que os pais influenciam seus filhos através de suas práticas de acordo com suas crenças e valores, indo além da combinação entre exigência e responsividade.” (Weber, L.N.D, 2006).

Falando especificamente de cada estilo parental, temos o Autoritário como aqueles pais que são bastante exigentes e controladores, não permitindo o desenvolvimento de autonomia da criança e que usam com frequência a punição como método de controle. Do outro lado da balança há os Permissivos, que são aqueles que cobram pouca responsabilidade das crianças e baseiam a relação pais-filhos com excesso de reforçadores positivos não contingentes. No saudável equilíbrio, existe o estilo parental mais adequado, chamado de Autoritativo, no qual há presença de regras e limites, ou seja, o desenvolvimento de responsabilidade da criança, porém há também muito afeto e aceitação por parte dos pais.

É importante lembrar que os pais apresentam-se sempre como modelo para seus filhos: se os filhos são agressivos, procure observar se os pais também emitem algum comportamento de agressividade; se os filhos são ansiosos, vale questionar a ansiedade também dos pais; e se os filhos são responsáveis e carinhosos, provavelmente os pais também o são.

Educar um filho e ajudá-lo a se desenvolver de forma adequado não é nada simples. É uma tarefa complexa e que exige muita dedicação dos pais! É preciso aprender a ensinar e educar, contudo, com boas orientações e disposição, é possível ser um ótimo modelo para as crianças e melhorar de forma significativa a interação familiar!


Se você se interessa pelo assunto, há em Campinas – SP, um Curso para Pais. O Programa de Qualidade na Interação Familiar é oferecido pelos psicólogos Alice Frungillo e Harley Martins. Entre em contato para mais informações através do e-mail: interacaofamiliar@hotmail.com

REFERÊNCIAS

Alvarenga, P. (2001). Práticas educativas parentais como forma de prevenção de problemas de comportamento. Em H. J. Guilhardi (Org.), Sobre Comportamento e Cognição (vol. 8, pp. 54-60). Santo André: ESETec Editores Associados.

Darling, N. & Steinberg, L.(1993). Parenting style as context: An integrative model. Psychological Bulletin, 113, 487-496.

Weber, L.N.D., Salvador, A.P.V. & Brandenburg, O.J. (2006). Medindo e promovendo qualidade na interação familiar. Em H.Guilhardi & N. Aguirre familiar (Orgs.), Sobre comportamento e cognição: expondo a variabilidade Vol. 18 (pp. 25-40). Santo André: Esetec

Compartilhe

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Descubra mais

Veja outras postagens relacionadas

Responda rapidamente você aprende melhor ouvindo, lendo ou tocando em algo? Quem nunca ouviu falar que as pessoas têm diferentes “estilos de aprendizagem” e, portanto devem ser ensinadas de diferentes

Pensando sobre o que escrever e lembrando do seminário que irei apresentar no mestrado em breve, resolvi escrever sobre a abordagem que utilizo e estudo na Psicologia. Assim, escrevo hoje

Há 4 anos eu decidi criar um blog para escrever sobre Psicologia. Eu era um psicólogo recém-formado, cursando um mestrado em Psicologia da Educação, e em plenas férias de janeiro.

0
Would love your thoughts, please comment.x