Como ajudar alguém com ideação suicida

No site do CVV (referência no combate ao suicídio no Brasil), há diversos textos pontuando que, mesmo não sendo um profissional da área da saúde, todos somos capazes de ajudar uma pessoa que está com pensamentos suicidas ou passando por uma crise depressiva grave (que antecede o ato suicida. Para isso, é necessário saber o que de fato ajuda e o que pode atrapalhar nessas situações. 

Vamos listar o que pode ser feito nesses casos, mas o mais importante é mostrar-se disponível e atento àquela pessoa e assegurar-lhe que ela não está e nem estará sozinha. 

  1. Mostre que se importa: Pessoas com pensamentos suicidas tendem a pensar que estão desamparadas, que não são amadas, ou que são um “peso” para a família. Mostre a ela que você se importa e existem pessoas que a amam e estão dispostas a ajudar.
  2. Crie um plano de vida: Ajude a pessoa a criar planos de vida, que trazem sentido à vida e a afaste do sofrimento. Façam juntos planos a curto prazo, como visitar familiares, conhecer novos lugares, sair com amigos e não se isolar. Tente também fazer planos para quando a fase de sofrimento passar, e para isto você pode perguntar “O que você gostaria de fazer quando esta fase de sofrimento passar?”
  3. Avise familiares e pessoas próximas: Caso a pessoa confesse a você seu desejo de morte, é importante compartilhar com familiares próximos e confiáveis. É necessário criar uma rede de apoio que auxilie a pessoa a se afastar de meios de tirar a própria vida, incentivar buscar ajuda e acompanhá-la a maior parte do tempo. Você deve dizer à pessoa que precisa compartilhar essa informação, porque se importa com ela e, por isso, precisa pedir ajuda. 
  4. Busque ajuda médica ou ligue para o SAMU: Caso perceba que o ato suicida está iminente, que a pessoa teve atos impulsivos, ou está com grande descontrole emocional, entre em contato com o SAMU pelo 192 ou avise um médico da família. Se possível, encaminhe a pessoa ao pronto socorro psiquiátrico o quanto antes.
  5. Incentive a buscar ajuda: Depois de escutar, é importante reforçar a relevância de buscar ajuda profissional. Apesar da boa intenção de amigos e familiares, somente a ajuda especializada pode contribuir efetivamente para a redução dos sintomas e sinais suicidas. Neste caso, esteja disposto acompanhá-la até o psicólogo e psiquiatra, agendar as consultas e ajudá-la no tratamento nos dias que se seguirem
  1. Fale sobre isso: Existe um mito no senso comum deque não se pode falar sobre morte ou suicídio com pessoas que apresentam ideação suicida, porém pesquisas realizadas na área da psicologia e psiquiatria mostram que falar sobre o assunto ajuda a pessoa a se organizar mentalmente e ter ciência do que está acontecendo. Além disso, falar sobre o que está causando sofrimento demonstra empatia e interesse, ampliando a rede de apoio do indivíduo. 

É importante se atentar ao que falar nesse momento. Em primeiro lugar, acolha os sentimentos e razões da pessoa, mesmo que não façam sentido para você. Evite compará-la com outras pessoas ou situações com frases como “fulano passou algo parecido e sobreviveu, você também irá”; além disso, não estabeleça nenhum tipo de julgamento ou condenação, pois a depressão e o suicídio não decorrem de falta de espiritualidade e não estão relacionados a bens materiais.

Leia também: Setembro Amarelo: da História à Prática

Para auxiliar a respeito dos tipos de falas que devem ser evitadas, veja o quadro abaixo:

AO INVÉS DE FALAR ISSOFALE ISSO
Isso é falta de Deus, você deve procurar uma igreja!Eu estou aqui por você. Tem algum lugar que você gostaria de ir nesse momento?
Você já tentou levantar dessa cama e fazer atividades? Você está assim porque não se movimenta!Você sabia que atividades físicas podem fazer você se sentir melhor? Eu imagino como está difícil para você, mas você gostaria de companhia para caminhar?
Eu sei como você se sente, teve uma vez que me senti assim também (…)Eu não consigo compreender a sua dor, mas sei que está difícil, e estou aqui para te ouvir.
Você é jovem, bonito(a), está empregado e tem vários bens materiais. Isso é frescura, não tem motivo para sentir-se assim!Tem várias pessoas que te amam e te querem bem! O que acha de passar um tempo com eles? Acredito que vai te fazer bem. Você consegue pensar em alguém?

Além disso, veja abaixo o contato de locais em São Paulo que oferecem atendimento em saúde mental.

CENTROS DE APOIO NA CIDADE DE SÃO PAULO

  • CAISM (Centro de Atenção Integral à Saúde Mental)

Contato: contato@caism.com.br

Telefone: (11) 3466-2100

Endereço: R. Maj. Maragliano, 241 – Vila Mariana, São Paulo – SP, 04017-030

  • Hospital Municipal Dr. Benedicto Montenegro

Contato: dirhmbm@prefeitura.sp.gov.br

Telefone:(11) 3394-9500

  • PAI-ZN (Polo de Atenção Intensiva em Saúde Mental da Zona Norte)

Telefone: (11) 2099-6099

Endereço: Rua: Voluntários da Pátria, 4301 – Bl 2 – Santana, São Paulo – SP, 02401-400

  • Pronto Socorro Municipal da Lapa

Telefone: (11) 4878-1701

Endereço: Av. Queiroz Filho, 313 – Vila Hamburguesa, São Paulo – SP, 02675-031

Esperamos que esse conteúdo tenha ajudado você a conhecer mais sobre esse assunto e, dessa forma, ter segurança para ajudar outras pessoas!

Ficou com alguma dúvida? Deixe aqui nos comentários para que possamos esclarecê-la.

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA. Suicídio: informando para prevenir/ Associação Brasileira de Psiquiatria, Comissão de Estudos e Prevenção de Suicídio. – Brasília: CFM/ABP, 2014.

CVV. O CVV. Disponível em: https://www.cvv.org.br/o-cvv/. Acesso em: 15 set. 2022.

BRASIL, Ministério da Saúde. Estratégia nacional de prevenção do suicídio: manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. 2006. Disponível em:https://www.cvv.org.br/wp-content/uploads/2017/05/manual_prevencao_suicidio_profissionais_saude.pdf. Acesso em 15 set. 2022.

TABNET – Informações de Saúde. Aplicativo elaborado pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima